Category: Notícias sobre imigração

multicultural_blog_bbc

Minuto legal: pesquisa revela a importância dos imigrantes para a economia do Reino Unido

Com o Brexit em andamento, pesquisas começam a revelar a importância dos trabalhadores e estudantes estrangeiros para o Reino Unido. Confira essas e outras notícias no nosso Minuto Legal.

Site de registro de votos do Brexit pode ter sido hackeado
Segundo a BBC, o site “Register to Vote” pode ter sido alvo de um ataque cibernético.  O site de registro de eleitores para a votação do referendo do Brexit ficou fora do ar no dia 7 de junho do ano passado, pouco antes do final do prazo para as pessoas se inscreverem para votar. Deputados do “Comitê de Administração Pública” disseram que um ataque cibernético estrangeiro não pode ser descartado.  Já o Cabinet Office do governo declarou que o site ficou fora do ar por conta do alto número de acessos naquele dia após um debate na TV. Após a queda do site, o então primeiro-ministro David Cameron estendeu o prazo para se inscrever para votar no referendo por 48 horas – 430.000 pessoas se inscreveram para votar durante esse período de extensão.
Pesquisa mostra a importância dos imigrantes para a economia do Reino Unido
A imigração afeta diretamente os setores de atacado, varejo, hospitalidade e saúde, que empregam cerca de 1,5 milhão de cidadãos não-britânicos, revelou uma pesquisa do Office for National Statistics..  O relatório anual da organização mostra que em 2016, 3,4 milhões de trabalhadores – ou cerca de 11% do mercado de trabalho do Reino Unido – era composto por estrangeiros. O número consiste em cerca de 2,2 milhões de cidadãos europeus  e 1,2 milhão de imigrantes de países fora do grupo. Em determinados setores da economia, os europeus ocupam 10% do total de trabalhadores do país.

Bancos já estariam negando empréstimos para europeus no Reino Unido

De acordo com o “The Indepedent”, cidadãos europeus que vivem no Reino Unido estão tendo pedidos de empréstimo negados devido  à incerteza se eles serão autorizados a permanecer no país após  o Brexit. Patricia Connell,  uma cidadã francesa que vive na Grã-Bretanha por 30 anos e idealizadora do site “France in London”, disse que alguns bancos  estão recusando conceder empréstimos para europeus. “Sabemos que os bancos já estão recusando empréstimo para as pessoas que não têm Residência Permanente, porque não sabem se elas poderão ficar aqui”, disse Patrícia para o jornal.

Britânicos consideram estudantes estrangeiros importantes para o Reino Unido diz pesquisa
Uma pesquisa realizada pela ComRes em universidades britânicas revelou que os britânicos apoiam os estudantes internacionais que vêm para o Reino Unido. De acordo com a pesquisa, a maioria dos ingleses percebe que os estudantes estrangeiros são bons para a economia e que as universidades são um dos maiores ativos econômicos e culturais do país. Segundo os dados, três quartos da população concordam que os estudantes de outros países tenham o direito de trabalhar no Reino Unido por um tempo após terem se formado, antes de voltarem para o país de origem.

Centenas de imigrantes sem documentos são presos nos EUA
Oficiais de imigração norte-americanos prenderam 367 imigrantes sem documentos nos Estados Unidos  durante uma operação nos meses de março e abril. Uma série de comunicados de imprensa emitidos na primeira semana de abril mostram os esforços coordenados em grande escala da Imigração e da Alfândega dos EUA para combater os criminosos de imigração no Texas, Oklahoma, Colorado, Nova York e Washington, DC. Apesar de a maioria dos presos terem atencedentes criminais, muitos nunca tiveram registro no polícia. Segundo o site da Newsweek, a prioridade do governo Trump é ir atrás de todos os imigrantes ilegais, independente do seu passado criminal.

*foto BBC

vistoleave

Minuto Legal: aumento no preço de vistos e efeitos do Brexit

O governo britânico anunciou aumento no preço das aplicações para alguns vistos e notícias sobre os efeitos do início do Brexit começam a aparecer. Confira.

Número de europeus procurando emprego no Reino Unido cai
O número de europeus procurando emprego no Reino Unido caiu em 2017. De acordo com o site de busca de emprego “Indeed”, o número de cidadãos europeus que utilizaram o site desde o início desse ano caiu em 18% com relação ao ano passado. Segundo o Office for National Statistics (ONS) 44.3% de todas as novas vagas de emprego criadas desde 2008 foram preenchidas por cidadãos europeus. “Um mercado de trabalho britânico com menos trabalhadores da UE será imediatamente confrontado com uma série de questões complexas que terão de ser resolvidas rapidamente para evitar grandes perturbações”, declarou Mariano Mamertino, do site Indeed.

Governo britânico aumenta preço das aplicações para vistos
O governo britânico  anunciou algumas mudanças significativas que tiveram início no último dia 6 de abril. Além de mudanças com relação as regras dos vistos, houve também aumento nos preços de determinadas aplicações. O preço da aplicação para o Visto Definitivo, por exemplo, teve um aumento de £ 422. Enquanto o visto de Settlement aumentou £ 279. Entre as mudanças das regras, está o aumento do limite salarial exigido para aplicantes do visto Tier 2, que subiu para  £ 30.000 por ano para trabalhadores experientes. O visto é exigido para não-europeus que desejam trabalhar no Reino Unido.

Rynair pode ter que suspender vôos no Reino Unido
A Ryanair, uma das principais companhias aéreas low-cost da Europa, avisou que terá de suspender vôos do e para o Reino Unido por “semanas ou meses” se Theresa May não fechar um acordo do Brexit sobre aviação internacional. A Ryanair, com sede em Dublin, tem permissão legal para operar no  Reino Unido através de um regulamento “open skies” europeu que permite a todas as companhias aéreas da UE voar dentro dos países do acordo. “Pode ocorrer uma situação para o verão de 2019, que a não ser que você possa nadar, viagens para Portugal e Espanha não vão acontecer”, declarou Neil Sorahan, diretor financeiro da Rynair.

Pesquisa revela o que britânicos desejam com o Brexit
Segundo pesquisa do National Centre for Social Research (NatCen), mais de dois terços dos britânicos esperam que imigrantes europeus sejam tratados do mesmo modo que imigrantes não-europeus após o Brexit. No entanto, 88% das pessoas também querem o livre comércio com a União Europeia no pós-Brexit.  A NatCen realizou uma série de estudos aprofundados sobre o Brexit desde o referendo, inicialmente com base nas pesquisas de atitudes sociais britânicas. O último estudo envolveu 2.322 pessoas entrevistadas em fevereiro e março.

Eleitora de Donald Trump tem marido deportado para o México
Helen Beristain, que votou em Donald Trump, iniciou uma petição depois que seu marido foi forçado a deixar os EUA. Roberto Beristain mora nos Estados Unidos desde 1998 e permaneceu ilegalmente no país apesar de uma ordem de deportação que lhe foi dada no ano 2000. Ele comandava um restaurante em Indiana, onde vivia com a mulher e três filhos, e onde agora está detido. Helen disse que achava que Donald Trump só deportaria imigrantes com “má conduta”, com antecedentes criminais, e que as ações do novo presidente americano não afetariam sua família.

Passport and US visa background with  immigration application form.

Governo britânico aumenta preço dos vistos e altera regras

O Home Office, orgão responsável pelas resoluções de imigração do Reino Unido,  anunciou algumas mudanças significativas que terão início a partir de 6 de abril de 2017. Além de mudanças com relação as regras dos vistos, houve também aumento nos preços de determinadas aplicações. O Visto Definitivo, por exemplo, teve um aumento de £ 422. Confira o que vai mudar.

Preços das aplicações

Para aplicações de fora do Reino Unido:
– Visitor Visa – de £87 para £89
– Settlement  –   de £1,195 para £1,464
– Priority Service (taxa extra para que a aplicação seja expedida mais rapidamente) – de £450 para £551

Para aplicações dentro do Reino Unido:
– Priority Service – de  £500 para £590
– Indefinite leave to Remain (Visto Definitivo) –  de £1875 para £2297
– Leave to Remain – de £811 para £993
– Naturalização Adulto – de £1236 para £1282
– Registro de cidadão britânico para crianças: de £936 para £973

Além dos preços, alterações referentes as regras dos vistos também entrarão em vigor. Confira algumas mudanças relativas aos vitos Tier 2 e Tier 4.

Visto Tier 2
O visto Tier 2 é aplicado para cidadão não-europeus, que venham trabalhar no Reino Unido.  O limite salarial exigido para trabalhadores experientes aumentou para £ 30.000 por ano para a maioria dos novos candidatos. Já para os novos participantes  o valor salarial exigido permanece em £ 20.800.

Para imigrantes que venham trabalhar nos setores de saúde, educação e assistência social (bem como seus dependentes adultos) será necessário apresentar o Registro de Antecedentes Criminais do seu país de origem.

Já na categoria Intra-Company Transfer, voltada para profissionais de multinacionais que sejam transferidos para o Reino Unido, foram estabelecidas as seguintes mudanças:

  • A subcategoria Staff de Curto Prazo foi encerrada;
  • O limite salarial para funcionários sêniors será reduzido de £ 155.300 para £ 120.000.
  • A exigência de que funcionários tenham pelo menos um ano de experiência trabalhando para a empresa no exterior está sendo removida para candidatos com ganhos de £ 73.900 ou mais.

Visto Tier 4
O visto Tier 4 é exigido para estudantes não-europeus que venham fazer um curso superior no Reino Unido.  Confira o que muda:

– Entrevista para os maiores de 16 anos:  Todos os requerentes com idade igual ou superior a 16 anos devem comprovar seu status junto ao Home Office como sendo um “aluno genuíno”.  A regra foi implementada exigindo que os candidatos realizassem uma entrevista, pessoalmente ou por telefone. Se, como resultado desta entrevista, o Home Office não estiver convencido de que o candidato é um aluno genuíno, ou não pode falar Inglês para o padrão exigido, o pedido de visto será recusado. O não comparecimento a entrevista sem explicação razoável também resulta em recusa.

Prova de relacionamento para menores de 18 anos:  Os candidatos que tenham menos de 18 anos de idade devem fornecer a confirmação de um dos pais ou responsáveis que concordem com os procedimentos para a viagem do jovem ao Reino Unido. A partir de 6 de abril, serão exigidas provas de relação entre o requerente e a pessoa que fornece o consentimento como parte do pedido, como certidão de nascimento ou adoção.

Se você ficou com dúvidas, precisa de mais alguma informação sobre sobre as novas mundanças das regras ou preços, entre em contato conosco, nossos profissionais terão prazer em ajudá-lo. A LondonHelp4U tem 15 anos de experiência com processos de vistos para o Reino Unido.

 

immigration-uk-brexit

Minuto legal: Tudo sobre o início do Brexit

Depois de meses de tensão e especulação, o Brexit finalmente teve início na última quarta. Confira as principais noticias da semana no nosso Minuto Legal.

Carta que deu início ao Brexit é enviada a União Europeia
A primeira-ministra Theresa May deu início ao artigo 50 do Tratado de Lisboa na quarta-feira (29), oficializando a saída do Reino Unido da União Europeia, após 44 anos de união com o grupo. Tim Barrow, embaixador do Reino Unido na União Europeia, entregou pessoalmente uma carta de seis páginas de Theresa May ao presidente do Conselho da UE, Donald Tusk, em Bruxelas. Dessa maneira, o Reino Unido tem até março de 2019 para chegar aos acordos necessários com a União Europeia e deixar o grupo. Após a entrega da carta, a primeira-ministra discursou na Câmara dos Comuns. Ela disse que a Grã-Bretanha agora fará suas próprias decisões e suas próprias leis.

Uniao Europeia diz que objetivo é reduzir danos e proteger imigrantes
Donald Tusk, presidente do Conselho Europeu, fez pronunciamentos na quarta e na sexta sobre o início do Brexit e enviou um documento para os 27 países membros da UE sobre futuros procedimentos. O documento diz que o objetivo é “preservar os interesses dos países, os seus cidadãos e os seus negócios”.  Tusk declarou que, embora as negociações sejam “difíceis, complexas e, por vezes, até mesmo conflituosas”, a UE não “seguirá uma abordagem punitiva”. Ele disse que o Brexit já foi punição suficiente para o Reino Unido.

Livre circulação de pessoas entre Europa e Reino Unido
Segundo informações da União Europeia, a livre circulação de pessoas entre Europa e Reino Unido deve ser mantida até março de 2019, data para o fim das negociações do Brexit. Em entrevista após a entrega da carta na quarta (29), Theresa May admitiu considerar que a livre circulação se mantenha mesmo após o Brexit. Michael Gove, um dos principais articuladores do Brexit, também declarou que prevê que os cidadãos da UE serão capazes de “circular livremente” dentro e ao redor do Reino Unido após a conclusão do Brexit.  “Uma das coisas que eu pretendo depois de deixar a União Europeia, é que os cidadãos da UE se desloquem livremente para o Reino Unido. Eles apenas não terão os mesmos direitos de trabalhar e garantir o acesso a serviços públicos e benefícios sociais”, disse ele durante um evento em Dublin.

Reino Unido começa seu plano de mudanças de leis
Na quinta (30), foi divulgado a “Great Repeal Bill”, documento que faz parte do White Paper e que indica como o Reino Unido pretende fazer a transição das leis europeias para as leis britânicas. As principais mudanças dizem respeito aos direitos dos trabalhadores, leis de proteção ambiental e direitos dos consumidores.  David Davis, secretário do Brexit, disse que o projeto permite que empresas e cidadãos tenham acesso as mudanças “sabendo que as regras não mudarão do dia para a noite”, quando o Reino Unido deixar de fato a União Europeia, até lá, as leis europeias devem permanecer vigentes.

cartabrexit

Brexit: Reino Unido oficializa sua saída da União Europeia

A primeira-ministra Theresa May deu início ao artigo 50 do Tratado de Lisboa nessa quarta-feira (29), oficializando a saída do Reino Unido da União Europeia, após 44 anos de união com o grupo.

Tim Barrow, embaixador do Reino Unido na União Europeia, entregou pessoalmente uma carta de seis páginas de Theresa May ao presidente do Conselho da UE, Donald Tusk, em Bruxelas. Dessa maneira, o Reino Unido tem até março de 2019 para chegar aos acordos necessários com a União Europeia e deixar o grupo.

Após a entrega da carta, a primeira-ministra discursou na Câmara dos Comuns.  “Hoje, o governo age sobre a vontade democrática do povo britânico e atua também na clara e convincente posição desta Câmara. O processo do Artigo 50 está agora em curso e de acordo com os desejos do povo britânico o Reino Unido está deixando a União Europeia. Este é um momento histórico do qual não haverá volta.”

Ela disse que a Grã-Bretanha agora fará suas próprias decisões e suas próprias leis. “Vamos aproveitar esta oportunidade para construir uma Grã-Bretanha mais forte e mais justa, um país que nossos filhos e netos terão orgulho “.

May prometeu representar todas as pessoas do Reino Unido durante as negociações, incluindo cidadãos europeus que vivem no país, cujo status após o Brexit ainda não foi resolvido. “É a minha determinação fazer o negócio certo para cada pessoa neste país”, declarou May.

O chanceler Philip Hammond, em entrevista à rádio BBC 4, disse que o país continuará a  ser membro pleno da UE nos próximos dois anos com “as mesmas regras e obrigações”. Ele também acrescentou que não haverá nenhum corte a partir de hoje com relação  aos direitos dos cidadãos da UE que chegarem à Grã-Bretanha.

O Parlamento Europeu ameaçou vetar qualquer acordo se o Reino Unido acabasse com esses direitos a partir de hoje.

Resposta da Europa
Após ter recebido a carta, o presidente do conselho da UE, Donald Tusk, também fez um pronunciamento. “Não há razão para fingir que este é um dia feliz em Bruxelas ou em Londres.  A maioria dos europeus, incluindo quase metade de todos os eleitores britânicos, gostariam de permanecer juntos e não se afastar”, declarou Tusk.

O presidente, contudo, acredita num aspecto positivo do Brexit, dizendo que os 27 estados-membros da União Europeia estão mais unidos que nunca.  “Paradoxalmente, há algo positivo no Brexit. Brexit nos fez, a comunidade dos 27 países, mais determinada e mais unida do que antes”, disse Tusk.

Ele diz que tem como objetivo  proteger os interesses dos 27 estados-membros e evitar danos: “Não há nada para ganhar … Nosso objetivo é claro – minimizar os danos para os cidadãos da UE, empresas e Estados-Membros”.

Tuks disse que por enquanto, até que o Reino Unido deixe legalmente o grupo, a legistação da União Europeu continuará valendo e encerrou dizendo: “O que posso acrescentar? Nós já sentimos sua falta”.

* foto BBC – European Photopress