Brexit: novo recorde enfermeiros europeus desistiram do Reino Unido

Brexit: novo recorde enfermeiros europeus desistiram do Reino Unido

Um número recorde de enfermeiras e parteiras de países da União Europeia deixou o Reino Unido no ano passado, aumentando a preucupação que o Brexit aprofundará crônica crise de equipe do NHS. Um total de 3.962 funcionários europeus deixaram o registo do Nursing and Midwifery Council entre 2017 e 2018. O registo indica quem é elegível para trabalhar nas áreas da saúde no Reino Unido.

O número de partidas foi 28% maior do que os 3.081 que partiram em 2016-17 e três vezes maior do que os 1.311 que o fizeram em 2013-14, o primeiro ano em que o NMC começou a manter os dados sobre saídas dos postos.

Ao mesmo tempo, o número de enfermeiras e parteiras da UE que vem trabalhar no Reino Unido caiu para o seu nível mais baixo. Apenas 805 deles aderiram ao registro NMC em 2017-18. Esse total é apenas 13% dos 6.382 que compareceram no ano anterior. “Parece que os esforços para aumentar o número de enfermeiras estão sendo arrastados por um Brexit mal feito”, disse Janet Davies, chefe-executiva do Royal College of Nursing.

A recusa do governo em detalhar os direitos que os 3 milhões de cidadãos da UE que vivem na Grã-Bretanha terão depois que o Reino Unido deixar a UE em março do próximo ano é uma das principais causas da perda de pessoal da UE, acrescentou. “As enfermeiras que voltam para casa, ou que causam uma falta completa à Grã-Bretanha, estão fazendo isso porque seus direitos não são claros o suficiente”.

O Brexit surgiu como uma das principais razões pelas quais a equipe treinada da UE está parando de trabalhar no Reino Unido em entrevistas realizadas pelo NMC com 3.496 pessoas que deixaram o registro entre junho e novembro de 2017.

Quase metade (47%) das 227 enfermeiras e parteiras do EEA que responderam concordaram que “o Brexit me incentivou a pensar em trabalhar fora do Reino Unido”, enquanto 59% disseram: “Estou saindo ou saí do Reino Unido”.

Os números do SMN confirmam a dificuldade muito maior que os hospitais confiam ao recrutamento de enfermeiros da Europa, particularmente de países de onde muitos vieram nos últimos anos – notadamente Itália, Portugal e Espanha. As informações são do The Guardian.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *