Minuto Legal: Imigrante que vive no Reino Unido há 56 anos perde emprego por falta de documentos do Home Office

Um experiente professor assistente especial perdeu o emprego depois que seus empregadores decidiram que ele era um imigrante ilegal, apesar de ele ter morado no Reino Unido por mais de 50 anos. Michael Braithwaite, que chegou à Grã-Bretanha a partir de Barbados em 1961, trabalhou em uma escola primária no norte de Londres por mais de 15 anos, quando uma checagem rotineira de seu status de imigrante revelou que ele não tinha um documento de identidade atualizado.

O departamento de pessoal entrou em contato para lhe dizer que sem um cartão biométrico ele não poderia continuar a ser empregado. O imigrante de 66 anos perdeu o emprego de tempo integral em 2017, depois que a autoridade local determinou que ele precisava apresentar prova documental de que ele tinha o direito de viver no Reino Unido. Ele tem tentado por dois anos sem sucesso conseguir que o Home Office reconheça que ele está na Inglaterra legalmente. As informações são do jornal The Guardian.

Aumenta otimismo na economia do Reino Unido pela primeira vez depois do artigo 50 do Brexit

O otimismo sobre a economia do Reino Unido é maior do que em qualquer momento desde que a Theresa May acionou o Artigo 50 em março passado, de acordo com uma pesquisa com diretores da empresa. O aumento na confiança segue um salto anterior após o anúncio de dezembro de que progresso suficiente havia sido feito na primeira fase das conversações do Brexit. O incerto status comercial do Reino Unido com a UE caiu das três principais preocupações dos líderes empresariais pela primeira vez desde o início das negociações de retirada, segundo o Instituto de Diretores. As informações são do The Independent.

Reino Unido pode criar 5 mil empregos após Brexit, afirma relatório

A mudança para as capturas sustentáveis ​​das espécies mais importantes de peixe geraria 5.000 novos postos de trabalho e acrescentaria mais de 300 milhões de libras por ano à economia, após o Reino Unido abandonar a política comum de pescas da UE, constatou um novo relatório. A gestão sustentável das unidades populacionais exigiria limites à pesca durante vários anos, uma vez que as actuais políticas da UE permitem capturas maiores do que as populações de algumas espécies-chave podem recuperar rapidamente, mas dentro de sete a dez anos a definir as suas próprias políticas. os benefícios, de acordo com Oceana, uma organização não governamental que se concentra na pesca. As informações são do jornal The Guardian.

Grupos de direitos humanos condenam a política de imigração do ‘ambiente hostil’ de Theresa May

Grupos de direitos humanos publicaram um relatório explicando até que ponto as políticas de imigração do “ambiente hostil” do governo se espalharam por todas as áreas da vida no Reino Unido, encorajando comportamentos “discriminatórios” e “racistas”. O relatório, pela Liberty, a União Nacional de Estudantes e a Rede de Direitos dos Migrantes, entre outros, mostra que os controles de imigração estão embutidos no coração dos serviços públicos do Reino Unido. As informações são do jornal The Guardian.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *