Minuto Legal: Escócia quer ter controle próprio de imigração após Brexit

Confira as principais notícias de imigração da semana no Minuto Legal, da LondonHelp4U.

Escócia quer ter controle da imigração após o Brexit

Uma campanha importante para garantir concessões do governo britânico sobre imigração deve ser lançada pelos ministros escoceses, de acordo com “The Times”. Os ministros procuram opções, incluindo vistos específicos da Escócia para ter o controle de seu próprio sistema de imigração baseado em pontos. Os parlamentares organizaram documentos  para criar uma gama de opções, que garantiria poderes sobre a imigração para o parlamento escocês. Atualmente, os assuntos de imigração são reservados ao Parlamento Britânico  e o governo do Reino Unido se recusou a ceder o controle da questão para a Escócia. No entanto, os ministros escoceses acreditam que ter algum controle é vital para que a Escócia evite os piores efeitos do Brexit, que pode levar a uma queda no número de trabalhadores imigrantes que são vitais para a economia.

Líder do DUP acusa governo irlândes de usar Brexit para unificar a Irlanda
Arlene Foster, líder do DUP, partido que apoia o governo minoritário de Teresa May, acusou o governo irlandês de explorarm o Brexit para tentar unificar a Irlanda. “O governo irlandês está realmente usando as negociações na Europa para apresentar seus pontos de vista sobre o que eles acreditam que a ilha da Irlanda deve se parecer no futuro “, declarou Foster.  Ela acrescentou: “Já ouvimos o ministro das Relações Exteriores da República da Irlanda falando sobre sua aspiração para uma Irlanda unida. Ele tem direito a essa aspiração, mas ele não deveria usar as negociações da União Européia para falar sobre essas questões. Ele deveria falar sobre relações comerciais “.

Reino Unido aceita pagar mais para a “dívida do divórcio” com a Europa
Parte dos apoiadores do Brexit concordaram que o Reino Unido deve oferecer mais dinheiro para deixar a União Europeia. Porém nenhuma oferta será feita até que a União Europeia concorde em começar a falar sobre um novo acordo comercial com o Reino Unido. Nenhum valor novo foi dado – mas estipula-se que a quantia poderia chegar até £ 40 bilhões, o que seria o dobro do que as ofertas oferecidas até então pelo Reino Unido. A dívida do “divórcio” do Reino Unido é um dos pontos discordantes das negociações do Brexit. Alguns deputados conservadores reagiram com raiva à possibilidade de o Reino Unido concordar em pagar mais. Robert Halfon disse que o pagamento faria os eleitores  de “bananas “. A UE diz que o Reino Unido precisa liquidar suas contas antes de sair, já que o país assumiu compromissos financeiros que devem ser resolvidos como parte de um acordo geral de retirada.

Registro do Europeus no Reino Unido para o pós-Brexit deve ser simplificado
De acordo com um ministro de imigração, os cidadãos europeus que vivem no Reino Unido e que se candidatarem ao “settled status”, terão um sistema de cadastro simplicado. Segundo Brandon Lewis, 1.200 funcionários estão sendo empregados pelo Home Office para trabalhar com a aplicação de até 3,5 milhões nos próximos dois anos e meio. Ele insistiu que o Home Office estava adotando uma “abordagem cultural diferente” para lidar com pedidos de settled status, com a presunção de que os candidatos provavelmente poderão permanecer no Reino Unido. Os casos devem ser encerrados dentro de algumas semanas – ao contrário de meses, como  ocorre hoje. Porém, algumas pessoas continuam céticas com a capacidade do Home Office para os cadastros, graças aos erros constantes do orgão .

Reino Unido teve 10 mortes em centros de detenção de imigrantes no último ano
Uma investigação foi lançada após uma quarta morte em um centro de remoção de imigração de Lincoln, na Inglaterra. Um homem iraquiano de 27 anos morreu no centro de remoção de Morton Hall no domingo de manhã. Acredita-se que ele tenha se matado. Apenas algumas semanas atrás, Carlington Spencer, 38, da Jamaica, morreu em Morton Hall. Em janeiro deste ano, o detido polaco Lukasz Debowski também morreu no centro e em dezembro de 2016 o ocorreu o falecimento de Bal Ahmed Kabia, da Serra Leoa. Houve 10 mortes em centros de detenção no Reino Unido nos últimos 12 meses. Celia Clarke, diretora da BID (Bail for Immigration Detainees) declaroui: “Estamos absolutamente devastados por saber mais uma morte de imigrantes. Não tenha dúvidas de que é por conta do ambiente hostil em que estão nos centros. As pessoas com quem falamos estão desesperadas e vulneráveis”.

 

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *