Minuto Legal: Estudo aponta que o pessímismo sobre Brexit aumentou no Reino Unido

Estudo aponta que o pessímismo sobre Brexit aumentou no Reino Unido

A pesquisa mostra que os níveis de pessímismo em relação ao Brexit aumentaram entre os habitantes da Escócia e em toda a Grã-Bretanha. O estudo liderado pelo NatCen Social Research relata que 69% dos escoceses acreditam que o Brexit está sendo mal manuseada pela primeira-ministra Theresa May, contra 57% no ano passado. Em todo o Reino Unido, o aumento subiu para 61% dos entrevistados. Este foi um grande avanço em relação aos 41% registrados em fevereiro do ano passado. A primeira-ministra Theresa May está tentando negociar um novo relacionamento comercial com a UE, mas sua autoridade é geralmente vista diminuída com o Partido Conservador e a renúncia de aliados-chave.

Brexit poderia levar a “uma década perdida de crescimento” no país

O prefeito de Londres, Sadiq Khan, disse que o Brexit numa negociação díficil poderia custar ao país meio milhão de empregos e £ 50 bilhões em investimentos perdidos até 2030. Khan disse que os resultados foram provenientes de pesquisas dos analistas Cambridge Econometrics. Ele pediu ao governo que altere sua estratégia em conversações com Bruxelas. “Esta nova análise mostra por que o governo agora deve mudar sua abordagem e negociar um acordo que nos permita permanecer no mercado único”, disse Khan. A análise da Cambridge Econometrics prevê que um Brexit difícil poderia atingir até 87 mil empregos somente em Londres, com a produção econômica da capital 2% menor em 2030 do que seria esperado sob um Brexit suave.

A libra atinge o nível mais alto desde votação do Brexit

A libra esterlina saltou o nível mais alto contra o dólar americano desde o voto do Brexit. O aumento de quase US $ 1,37 ocorreu depois que Bloomberg informou que os ministros das finanças espanholas e holandesas concordaram em buscar um acordo do Brexit que mantesse o Reino Unido próximo da UE. A libra subiu mais de 1% para US $ 1,3691, seu nível mais alto desde 24 de junho de 2016.

Donald Trump critica imigrantes dos países do El Salvador e Haiti

Segundo o jornal El Pais, o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump não quer pessoas de “países de merda” nos Estados Unidos. A declaração foi feita pelo presidente nesta semana, durante uma reunião para renegociar o programa que concede residência legal a imigrantes do Haiti, El Salvador e países africanos, de acordo com fontes citadas pelo The Washington Post. No inicio da semana, o republicano retirou essas proteções para 200.000 salvadorenhos; em novembro, fez o mesmo com 59.000 haitianos.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *