Minuto legal: Tony Blair contra Brexit e “Dia sem Imigrantes” nos EUA

Confira as principais notícias de imigração da semana:

Ex-primeiro ministro Tony Blair diz que ainda é tempo dos britânicos reverterem o Brexit

Tony Blair disse que é sua “missão” persuadir os britânicos a “se levantarem” e mudarem suas mentes sobre o Brexit. Em discurso em Londres na última quinta (16), Tony afirmou que as pessoas votaram no referendo de junho “sem conhecimento dos verdadeiros termos de Brexit”. “Tudo que eu estou dizendo é uma coisa muito, muito simples, que este é o começo do debate – que se uma parte significativa desse 52% (que votaram a favor do Brexit) mostrarem a mudança real de suas ideias, nós devemos ter a oportunidade de reconsiderar esta decisão. Se faremos isso através de outro referendo ou outro método, isso é outra questão”, declarou Blair, que foi primeiro-ministro do Reino Unido entre 1997 e 2007.

Reino Unido nega asilo para crianças refugiadas
O governo do Reino Unido declarou que só tem recursos para receber 450 crianças refugiadas. Esperava-se que cerca de 3.000 crianças fossem autorizadas a vir para o Reino Unido segunda a Lei de Imigração. As crianças autorizadas a vir foram aquelas que tinham alguma conexão familiar no Reino Unido. Comissários dos direitos das crianças das quatro nações do UK  expressaram “profunda preocupação” com a decisão do governo. O arcebispo de Canterbury disse que a decisão foi “lamentável”.

Imigrantes nos EUA não vão ao trabalho para mostrar sua importância para a economia
Nessa última quinta (16) imigrantes de várias regiões dos EUA organizaram o “Dia Sem Imigrantes”. Os imigrantes não foram trabalhar para mostrar seu impacto na economia. Alguns restaurantes mostraram solidariedade e  fecharam suas portas. “Por meio da não colaboração de nosso trabalho e por deixarmos de consumir, estamos apenas fazendo uma declaração realmente audaciosa de que este país é sustentado por nós”, declarou Maria Fernanda Cabello, uma ativista de imigração.

Brasil aprova mais de 900 pedidos de permanência de imigrantes africanos
O Conselho Nacional de Imigração (CNIg) aprovou os pedidos de permanência no Brasil de 972 ganeses e senegaleses que vivem nos estados do Rio Grande do Sul, Santa Catarina e São Paulo.
Após o registro junto à Polícia Federal, eles terão direito a permanecer no País por tempo indeterminado. “Nós recebemos um pedido da Defensoria da União que enquadra esses imigrantes nos casos considerados omissos ou especiais e permite que se conceda a autorização de permanência a partir de um viés humanitário”, explica o coordenador do CNIg no Ministério do Trabalho, Luiz Alberto Matos dos Santos.

Número de imigrantes que tentam cruzar a fronteria dos EUA para o Canadá cresce
O número de imigrantes ilegais que cruzam a fronteira dos Estados Unidos para perdir asilo no Canadá cresce a cada dia. De acordo com a BBC News,  os ganenses Seidu Mohammed e Razak Iyal seriam deportados de volta para Gana, na África, após terem seus status de refugiado negado nos Estados Unidos.  Os dois tiveram seus dedos amputados após terem as mãos congeladas durante a travessia da fronteira, por conta do inverno rigoroso da região.  Segundo a BBC, um número recorde de pessoas tem tentado fazer a travessia nas últimas semanas, após a entrada de Trump no poder.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *