População do Reino Unido deverá aumentar em quase 10 milhões nos próximos 25 anos

Segundo estimativas oficiais, a população do Reino Unido aumentará quase 10 milhões ao longo dos próximos 25 anos. O número de pessoas que vivem no país deverá aumentar de 64,6 milhões (dados de 2014)  para 74,3 milhões em 2039. Mais de dois terços do aumento será o resultado da migração líquida assumida (diferença entre emigrantes e imigrantes), mais o impacto indireto da taxa de natalidade e mortalidade, segundo o site da ONS (Office for National Statistics).

A população vai aumentar em 4,4 milhões durante a próxima década e está projetado para atingir 70 milhões em meados de 2027. Em meados de 2024, a população da Inglaterra é projetada para aumentar em 7,5%, a da Irlanda do Norte em 5,3% , e a da Escócia e País de Gales em 3,1%.

Se o crescimento continuar como está atualmente, o Reino Unido vai ultrapassar a França em 2030, e a Alemanha em 2047, tornando-se o país mais populoso da Europa. A ONS também prevê que a sociedade da Grã-Bretanha continuará envelhecendo,  sendo mais de uma em cada 12 pessoas com 80 anos ou mais, em 2039.

Simon Ross , chefe-excecutivo de Assuntos da População, alegou que os recursos naturais não seriam suficientes para sustentar o número de pessoas na Grã-Bretanha ou no planeta. Ainda, segundo ele: “É indispensável que nós abordemos os fatores que contribuem para o aumento destes números. Somos todos afetados negativamente pelo rápido crescimento demográfico das últimas décadas, a partir de pressões sobre habitação e serviços públicos para o meio ambiente e as mudanças climáticas. É hora de nós abordadarmos o problema da população, por meio da melhoria da educação sexual e provisão de planejamento familiar, aumentando a consciência pública do crescimento da população (…). Se quisermos  viver de forma sustentável e feliz , a longo prazo , o crescimento da população é uma questão que não pode ser ignorada.”

Os dados do ONS são publicados a cada dois anos, e são utilizados para informar as políticas em matéria de pensões, migração e cuidados, e também no planejamento de habitação e serviços.

Fonte: The Guardian

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *