O ex-primeiro ministro britânico Tony Blair declarou durante a Web Summit 2018, conferência de inovação e tecnologia realizada em Lisboa, ser 100% contra o Brexit. “Farei tudo que for possível para pará-lo.” Segundo o ex-chanceler, o Brexit não é de interesse britânico econômico, nem político, é algo que enfraquece o Reino Unido e a Europa.

Tony Blair afirmou ainda que há maneiras de interromper o fim do acordo bilateral que foi referendado em junho de 2016. “Eleições gerais são improváveis, em minha opinião são um suicídio para o partido conservador, mas na política de hoje em dia não se pode descartar isso”, finalizou.

Acordo do Brexit ainda sem data definida

O ministro britânico do Brexit, Dominic Raab, publicou uma carta direcionada aos parlamentares, dizendo que acredita que é possível alcançar um acordo com Bruxelas antes de 21 de novembro. Contudo, uma porta-voz da primeira-ministra Theresa May não quis confirmar esta data.  As informações são da BBC.

Grupo de 1.400 advogados britânicos pede ao governo novo referendo sobre o Brexit

Um grupo de 1.400 advogados do Reino Unido publicaram uma carta dirigida a primeira-ministra britânica, Theresa May, na qual solicitam um segundo referendo sobre os termos de acordo do Brexit com Bruxelas,argumentando que no referendo de 2016 os eleitores desconheciam o processo de negociação com a União Europeia e por considerarem que o Parlamento não estava vinculado à votação de 2016. As informações são da Express.

Dirigentes empresariais britânicos apelam por um segundo referendo sobre o Brexit

Dezenas de empresários assinaram uma carta onde alertam para os efeitos do Brexit na economia e  pedem uma última palavra sobre o Brexit, apoiando um segundo referendo que daria aos eleitores uma escolha entre o acordo de Theresa May e a permanência na UE.

Um grupo de campanha chamado Business for a People’s Vote, disse que uma nova pesquisa realizada pela a YouGov demonstrou que 57% das empresas são a favor de um segundo referendo.Acompanhe a notícia no The Guardian.

Empresas não serão mais obrigadas a realizar verificações do status de imigração de cidadãos europeus

Segundo a Ministra da Imigração, Afzal Khan, as empresas não terão de realizar novos controles de status de cidadãos da UE no caso de um Brexit sem acordo, ao contrário do que havia sido sugerido pela ministra Caroline Nokes. A ministra Nokes havia dito que os empregadores teriam que realizar “verificações rigorosas” dos funcionários da UE que chegarem depois de março de 2019.  As informações são da BBC.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *