Minuto Legal: UE rejeita o plano comercial da Theresa May e adverte que o Reino Unido sofrerá “conseqüências econômicas negativas”

Brexit: a UE rejeita o plano comercial da Theresa May e adverte que o Reino Unido sofrerá “conseqüências econômicas negativas”

A UE rejeitou o plano de Theresa May para uma relação comercial pós-Brexit e alertou que suas escolhas terão “conseqüências econômicas negativas” para a Grã-Bretanha. Segundo o jornal Independent, as negociações preliminares reveladas na ultima quarta-feira, o bloco descartou o “reconhecimento mútuo” dos padrões entre o Reino Unido e a UE, conforme proposto pelo primeira-ministra na semana passada.

A UE espera que não haja tarifas e cotas sobre mercadorias negociadas entre o Reino Unido e a UE, mas que “checar e controlar” são “inevitáveis” neste novo relacionamento. A UE afirma que, se a posição do Reino Unido “evoluir” –  referindo à adesão ao mercado único e à união -, a UE reconsideraria a oferta.

UE ameaça congelar as negociações do Brexit até que a Grã-Bretanha encontre uma solução de fronteira irlandesa

A UE deu um ultimato a Theresa May sobre as negociações do Brexit.  Em discurso em Dublin, o presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk, ao lado do primeiro-ministro irlandês, Leo Varadkar, alertou que não ampliará as discussões sobre questões comerciais do Brexit até que a questão da fronteira irlandesa seja resolvida com o Reino Unido.

“Sabemos hoje que o Governo do Reino Unido rejeita uma fronteira com taxas alfandegárias e regulatória no mar da Irlanda, o mercado único da UE e a união na alfândega. Embora devamos respeitar essa posição, esperamos também que o Reino Unido proponha  uma solução específica e realista para evitar uma fronteira difícil. Enquanto o Reino Unido não apresentar tal solução, é muito difícil imaginar um progresso substancial nas negociações da Brexit,” afirma Tusk.

O plano do Home Office de negar o acesso de dados aos imigrantes é considerado ilegal

Os planos para negar a milhões de imigrantes o direito de acessar os dados de imigração mantidos no Home Office são ilegais e serão contestados em tribunal, o governo foi informado. Organizações que representam os 3 milhões de cidadãos da UE que vivem no Reino Unido e ativistas de direitos digitais escreveram ao Amber Rudd, avisando que eles tomarão ações legais se uma cláusula na lei de proteção de dados for promulgada. Os representantes argumentam que a cláusula do projeto de lei viola as obrigações do governo no âmbito da UE regulamento geral de proteção de dados (GDPR).

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *