O ex-secretário do Brexit Dominic Raab admitiu que o acordo de Theresa May com o Brexit seria “ainda pior” do que permanecer na UE. O líder, que deixou o gabinete dramaticamente na última semana em protesto contra o acordo de retirada negociado pelo primeiro-ministro, disse que não defende a permanência na UE, mas que o plano de May é uma opção inferior.

Pressionado se ele achava que o acordo seria pior do que ficar na UE, ele respondeu: “Bem, eu não vou defender a permanência na UE, mas se você acabou de me apresentar termos, este acordo ou adesão à UE – nós defetivamente estamos limitados pelas mesmas regras sem controle ou voz sobre elas – sim, acho que isso seria ainda pior do que isso”. Notícia completa no The Guardian.

Matt Hancock diz que segundo referendo Brexit é possível

O secretário de saúde, Matt Hancock, disse que o Reino Unido pode realizar um segundo referendo sobre o Brexit se os deputados votarem contra o acordo de retirada da Theresa May. Em entrevista concedida no Good Morning Britain, da ITV, ele disse que estava “contra a ideia” de outra votação sobre a adesão do Reino Unido à UE, mas não conseguiu descartá-la.

“Se isso não acontecer, se não conseguirmos acordo ou se é impossível saber o segundo referendo. Eu acho que todos deveriam votar pelo acordo porque é de interesse nacional ”, disse Hancock sobre o acordo do primeiro-ministro. As informações são do The Guardian.

Reino Unido será ‘congelado’ de decisões da UE sobre orçamentos, sinais de trânsito e água potável durante o período de transição

O Reino Unido será “congelado” das decisões da UE em nada menos que 182 novas regras nos meses após Brexit, segundo uma nova análise, incluindo sobre gastos orçamentários, sinais de trânsito e água potável. Durante a transição, o Reino Unido ficará vinculado às decisões de Bruxelas, mas sem que nenhum ministro do Conselho da UE, ou deputados do Parlamento Europeu, os influenciem. Notícia retirada do jornal Independent.

Home Office tentou deportar 300 migrantes qualificados sob a lei do terrorismo

O Home Office tentou injustamente forçar pelo menos 300 imigrantes altamente qualificados a deixar a Grã-Bretanha sob uma regra de imigração de combater terroristas e ameaça à segurança nacional.Os números, revelados em uma revisão governamental da cláusula 322 (5), também sugerem que até 87 migrantes altamente qualificados – incluindo professores, médicos, advogados, engenheiros e profissionais de TI – foram erroneamente forçados a deixar o Reino Unido sob a legislação relacionada ao terrorismo. Outras 400 pessoas podem ter sido afetadas. As informações são do The Guardian.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *