Tag: Reino Unido

United Kingdom Flag waving on wind.

Please see all series in my portfolio.

Residência Permanente e Registration Certificate no Reino Unido

Brasileiros com dupla cidadania europeia desfrutam dos privilégios como qualquer outro cidadão dos países que fazem parte da União Europeia. Porém, muitos que possuem passaporte europeu ficam em dúvida quanto ao tipo de aplicação que devem fazer para oficializar sua residência no Reino Unido.

Até o momento, o governo britânico não exige que cidadãos europeus apliquem para a residência no país para comprovar seu direito de morar e trabalhar no Reino Unido. No entanto, com o Brexit, aqueles que já tiverem sua situação regularizada certamente evitarão futuros problemas.

Entre aqueles que vão aplicar, é muito comum a confusão entre Residência Permanente e Registration Certificate.  Então, fique atento e tire suas dúvidas.

Registration Certificate
Todos que possuem cidadania de algum país pertencente à Área Econômica Europeia  (EEA) ou Suíça podem obter o Registration Certificate, que pode ser usado como uma prova do direito de viver no Reino Unido.  O certificado pode ser muito útil em algumas circustâncias para comprovar seu status de imigrante.  Para aplicar é necessário comprovar que o requerente está trabalhando como empregado ou autonomo, estudando ou que seja auto-suficiente financeiramente para pagar suas contas no país, sem pedido de beneficios. Sendo que existem requirementos maiores para estudantes e pessoas economicamente auto-suficiente.

Residência Permanente
A residência permanente no Reino Unido também é aplicável para todos os cidadãos europeus que vivem no país. No entanto, é necessário que os mesmos tenham vivido ao menos por cinco anos continuamente na Inglaterra e que tenham se qualificado dentro das hipoteses acima. Após esse período, todos tem direito a Residência Permanente. É necessário comprovar o período de permanência ao longo dos anos através de contratos de trabalho, aluguel, etc . O processo todo dura em média até 6 meses, mas o Home Office costuma dar prioridade para esses casos.

A LondonHelp4U é expert em pedidos para Residência Permanente e Registration Certificate no Reino Unido. Nossos consultores dão a assistência necessária durante todo o processo, da seleção dos documentos até a entrega dos certificados.

Somos uma empresa de imigração com 15 anos de experiência em processos de vistos e serviços notoriais. Nossa missão é ajudar os imigrantes brasileiros a terem  acesso ao Reino Unido e tornar seus processos burocráticos mais fáceis e rápidos.

Quer falar com a gente? Tire suas dúvidas e marque uma consulta. Nos contate por telefone: HelpLineUK 24h + 44 75 85668158 ou +44 0207 636 8500 ou por e-mail info@londonhelp4u.co.uk . Para mais dicas e informações sobre imigração, acompanhe nossas redes sociais e nosso website.

biometrico

Registro de Residência Biométrico: tudo sobre o documento britânico

Quando um imigrante não pertencente à União Europeia garante seu direito de viver, morar ou trabalhar no Reino Unido por um período maior que seis meses, o governo britânico emite o Biometric Residence Permit (BRP) (Registro de Residência Biométrico) como prova do status de imigração do cidadão.

A seguir, confira uma seleção das dúvidas mais frequentes quanto a este documento, incluindo como coletar o BRP e o que você pode fazer caso perca seu  Registro no exterior e se é possível começar a trabalhar sem o mesmo.

O que é o Registro Biométrico?

O (BRP) é um documento no formato de um cartão de crédito que comprova o direito do imigrante de morar e trabalhar no Reino Unido por mais de seis meses. O mesmo é feito com o registro das suas impressões digitais e contém uma foto de rosto digital.

Se eu aplico para o Registro de fora do Reino Unido, como posso receber o mesmo?
Assim que o seu visto for aceito, será emetido um selo que será colocado no seu passaporte e que te permitirá entrar no Reino Unido dentro de um prazo de 30 dias a tempo de recolher o seu registro biométrico em solo britânico.

Como posso retirar o meu BRP?
Você deve recolher o seu Registro Biométrico na agência do Correio (Post Office) que foi identificada na sua carta de aprovação em até 10 dias depois da sua chegada no Reino Unido. Você precisará apresentar o seu passaporte com o selo.

Eu posso retirar o meu Registro em outro Post Office que não seja o identificado na carta?
Sim, mas você terá que ir até a agência do correio na qual você deseja receber o Registro e solicitar que ele seja enviado para lá. Você terá que pagar uma taxa de serviço e não são todas as agências que podem realizar o processo.

É possível que outra pessoa retire o Registro em meu nome?
Sim, mas isso só é possível se você não tem condições físicas de realizar a retirada ou se você for menor de idade.

Se eu perder minha carta de aprovação e não souber qual é a agência do Correio que devo realizar a retirada, o que faço?
Você deve enviar um email para BRPCollection@homeoffice.gsi.gov.uk o quanto antes, explicando sua situação e enviando todos os seus dados, como nome e número do passaporte.

Eu posso começar a trabalhar antes de retirar o meu Registro?
É aconselhável recolher o seu BRP antes de começar a trabalhar no Reino Unido, mas se isso não for possível , você será capaz de evidenciar o seu direito de trabalhar no Reino Unido através do seu selo no seu passaporte. Você deverá informar o seu empregador depois que tiver recolhido o Registro.

Eu devo portar o meu Registro quando viajar?
Sim, você deve levar seu Registro sempre que viajar para fora do Reino Unido, já que você terá que apresentá-lo para os agentes de imigração nos aeroportos quando voltar ao país.

O que eu faço se eu perder ou danificar o meu Registro?
Se você perder, danificar ou tiver seu Registro roubado você deve reportar a situação ao Home Office através do email BRPLost@homeoffice.gsi.gov.uk. Você vai ter que aplicar para um Registro novo. Se o caso acontecer fora do Reino Unido, você deve solicitar um Registro temporário para que possa entrar no país na sua volta. Se você não solicitar um documento novo, você pode ser multado em até £ 1.000 e sua permissão para permanecer no Reino Unido pode ser encurtada .

Como eu posso mudar informações incorretas que venham no meu Registro?
Se qualquer informação estiver incorreta no seu Registro, você deve contactar o Home Office pelo email BRPError@homeoffice.gsi.gov.uk e explicar sua situação.

Você precisa fazer o seu Registro Biométrico? Entre em contato conosco, a LondonHelp4U é uma empresa de imigração com 15 anos de experiência em registros, vistos e processos de cidadania no Reino Unido.

 

flag italy

Cidadania Italiana por casamento

A cidadania italiana por casamento é obtida através da naturalização. Ao contrário da cidadania italiana por sangue, onde o requerente precisa apenas reconhecer seus direitos como descendente, a cidadania por casamento é efetivada através da naturalização.

Cidadania italiana por casamento no Reino Unido
Segundo estimativa do consulado italiano, cerca de 600 mil italianos moram no Reino Unido. A grande maioria deles está concentrada na Inglaterra, mais precisamente em Londres.

Dentre esses, muitos são casados com outras nacionalidades, inclusive com cidadãos e cidadãs brasileiras. O que muitos tem dúvida, inclusive os brasileiros em matrimônio com italianos, é sobre como proceder para realizar a naturalização italiana por casamento estando fora da Itália.

“O processo pode ser feito totalmente através do Consulado italiano no Reino Unido e os requerentes devem ficar atentos aos requisitios exigidos especificamente por este Consulado”, explica Cíntia Santana, do CartórioHelp4U.

Entre os principais pontos, um dos mais importantes é o tempo de matrimônio, que é de 3 anos de casamento ou metade para quem tem filhos.

– Cidadania italiana por casamento : mínimo de 3 anos de matrimônio
– Cidadania italiana por casamento com filhos: mínimo de 1 ano e meio de matrimônio

Facilitando seu processo
Você pode aplicar para o seu processo de naturalização italiana por casamento através do CartórioHelp4U. “Nos damos o suporte necessário ao longo da aplicação e realizamos o processo através dos nossos consultores com o Consulado Italiano no Reino Unido”, explica Cíntia.

Após dar entrada no processo, o requerente será convocado para uma entrevista no Consulado Italiano em Londres para apresentação dos documentos, não tendo a necessidade de ter que se deslocar até a Itália. O prazo total do processo é de aproximadamente 2 anos.

O CartórioHelp4U faz parte do grupo LondonHelp4U, uma empresa de imigração com 15 anos de experiência em processos de vistos,  naturalizações e serviços notariais.

Quer falar com a gente? Nos contate por telefone: HelpLine 24h +44 77 60829277 ou +44 0207 636 8500 (Reino Unido) ou por e-mail cartorio@londonhelp4u.co.uk . Tire suas dúvidas, marque uma consulta, torne processos burocráticos fáceis e rápidos com a ajuda da #LH4U. Para mais informações e dicas sobre imigração acesse nosso website e nossas redes sociais.

passaport

Os passaportes mais poderosos do mundo: europeus no top 10

A empresa de consultoria Henley & Partners realiza anualmente um ranking para determinar os passaportes mais poderosos do mundo.

O estudo leva em consideração o passaporte que permite viajar para o maior número de países sem a necessidade de um visto. Na edição de 2016, quem levou a melhor foi a Alemanha, que fechou tratado com três novas nações e passou para a primeira posição.

O passaporte alemão dá direito a entrada em 177 países sem visto de entrada. Em segundo lugar vem os suecos, que tem livre acesso a 176 nações. Na terceira posição ficam empatados Finlândia, França, Itália, Espanha e Reino Unido. Os cidadãos desses países podem entrar em 175 países sem burocracias.

O Brasil aparece na 21 posição, empatado com Bulgária e România e com permissão de entrada sem visto. em 153 países.

Na outra ponta da lista, com os passaportes que abrem menos portas, estão Afeganistão (acesso a 25 países), Paquistão (29), Iraque (30), Somália (31) e Síria (32). O ranking anual da Henley é feito em parceria com a Associação Internacional de Transporte Aéreo (Iata, na sigla em inglês) desde 2006.

Confira o top ten:

1             Alemanha

2             Suécia

3             Finlândia, França, Itália, Espanha, Reino Unido

4             Bélgica, Dinamarca, Holanda, Estados Unidos

5             Áustria, Japão, Cingapura

6             Canadá, Irlanda, Luxemburgo, Noruega, Portugal, Coreia do Sul, Suíça

7             Grécia, Nova Zelândia

8             Austrália

9             Malta

10           República Tcheca, Hungria, Islândia

A LondonHelp4U é uma empresa de imigração com 15 anos de experiência em processos de vistos para o Reino Unido, bem como cidadanias britânica, portuguesa e italiana. Nossa missão é ajudar os imigrantes brasileiros a terem  acesso à Europa e tornar seus processos burocráticos mais fáceis e rápidos.  Quer falar com a gente? Tire suas dúvidas e marque uma consulta. Nos contate por telefone: HelpLineUK 24h + 44 75 85668158 ou +44 0207 636 8500 ou por e-mail info@londonhelp4u.co.uk . Para mais dicas e informações sobre imigração, acompanhe nossas redes sociais e nosso website.

E se o Reino Unido deixar a União Europeia? Como ficam os brasileiros?

O anúncio do plebiscito que pode tirar o Reino Unido da União Europeia (UE) preocupou italianos, espanhóis, portugueses e muitos outros europeus do continente que vivem no país.

Preocupou também os brasileiros de dupla nacionalidade que têm passaportes desses países. O motivo? As incertezas sobre como ficarão as leis de imigração após uma eventual saída do Reino Unido da UE – e se os europeus terão direito de viver e trabalhar no país.

Cidadãos de países membros da UE têm o direito de viver e trabalhar na Grã-Bretanha ou em qualquer outro país do bloco. Mas uma das principais questões que levaram muitos britânicos a defender a saída do bloco é justamente a imigração.

Muitos querem que o governo possa ter um controle maior sobre quem entra no país – e acreditam que as regras da UE restringem esse poder.

Mas o que aconteceria com os brasileiros europeus se o país realmente deixar a UE?

Especialistas ressaltam que é cedo para ter respostas definitivas, uma vez que ainda não foram discutidos os termos desta eventual saída. Mas eles acreditam que esses brasileiros não terão de deixar o país.

Não há estimativas oficiais sobre o número de brasileiros vivendo no Reino Unido com passaporte europeu – e que, por isso, seriam potencialmente atingidos pela medida.

“Eles são invisíveis”, diz Carlos Mellinger, presidente da associação de auxílio a brasileiros Casa do Brasil. “Mas estimamos 300 mil brasileiros aqui. E os ‘europeus’ são um grande percentual”, completa.

Direitos preservados

No sábado, o premiê britânico, David Cameron, anunciou que o plebiscito para definir se o país vai deixar o bloco será no dia 23 de junho. O próprio premiê britânico é contra a saída do bloco, mas vários políticos proeminentes de seu partido, como o prefeito de Londres, Boris Johnson, farão campanha pela saída.

Pesquisa do instituto Ipsus Mori realizada em fevereiro indicou que 51% dos eleitores querem que o Reino Unido permaneça na União Europeia, 36% defendem a saída e 13% estavam indecisos.

Segundo a associação Migration Watch UK – que defende a saída do bloco -, os cidadãos europeus residentes no Reino Unido não seriam afetados.

“Os direitos do cidadãos da UE que trabalham ou moram no Reino Unido seriam preservados sob a Convenção de Viena do Direito dos Tratados de 1969. Sob esta convenção, a retirada de tratados isenta as partes de qualquer obrigação futura, mas não afeta direitos e obrigações adquiridas antes da retirada”, explica a organização.

O The Migration Observatory, grupo especializado em questões migratórias da Universidade de Oxford, também não vê indícios de que os europeus poderiam ter seu direito de permanência afetados.

“Eles não serão retirados do país, mas podem ter problemas para retornar, por exemplo, se decidirem ficar no Brasil por digamos dois anos. Porque, neste caso, seria como se eles estivessem se mudando para cá de novo”, diz à BBC Brasil Rob McNeil, porta-voz da organização.

“Tudo vai depender muito dos tratados bilaterais que seriam firmados com cada país”, completa. “A verdade é que simplesmente ainda não temos respostas para questões básicas.”

Modelos

Especialistas apontam dois principais modelos para possíveis futuras relações entre o Reino Unido e o bloco europeu. O primeiro cenário seria o Reino Unido sair da União Europeia, mas não do Espaço Econômico Europeu (EEE) – situação semelhante à da Noruega. Neste caso os imigrantes europeus não seriam afetados, porque o mercado comum também aceita liberdade de movimento.

Outra possibilidade é que o Reino Unido deixe também o EEE. Neste caso, poderia regular a situação dos imigrantes europeus por meio de tratados bilaterais com países ou com a União Europeia. É o modelo adotado pela Suíça.

Na falta de respostas claras, a advogada brasileira Vitória Nabas, especialista em questões de imigração, aconselha brasileiros a retirar documentos de residência ou passaporte britânicos o quanto antes, por precaução.

“Não sabemos o que vão fazer com os europeus que estão aqui e com os que querem entrar. Para estes segundos vai ser pior, claro”, afirma.

“Para quem já está aqui, meu conselho é fazer o cartão de residente, a residência permanente ou o passaporte o mais rápido possível. É a garantia de que você pode ficar aqui, não tem porque ‘comer bola'”, diz.

Nabas, assim como Carlos Mellinger, da Casa do Brasil, apontam outra questão que preocupa os brasileiros: com os novos acordos podem afetar aqueles que se casarem com europeus.

Segundo eles, o acordo já negociado – que valerá caso o Reino Unido permaneça na União Europeia – prevê que o não europeu (brasileiro, por exemplo) que se casar com europeu não terá os mesmo direitos plenos que têm hoje. Mas ainda não há, segundo ela, detalhamento da proposta.

“Ainda não sabemos como vai ficar, mas isso preocupa”, afirma Nabas.

Segundo Mellinger, desde que o plebiscito foi anunciado, muitos brasileiros com cidadania europeia procuraram a associação para saber como ficaria sua situação.

Fonte: www.bbc.com/portuguese/noticias/2016/02/160222_brexit_brasileiros_lab.shtml